2476

Eunápolis

Pular para o conteúdo
Última atualização:
|
Câmara Municipal de
Eunápolis

Aprovado em 1º turno PL de Adriano Cardoso para criar a Semana “Alice” de sensibilização à perda gestacional

Fonte: Diretoria de Comunicação/CME – Fotos: Milton Guerreiro
28/05/2024 às 17h28

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


Durante sessão ordinária realizada nesta terça-feira, dia 28 de maio, a Câmara de Vereadores de Eunápolis aprovou, em primeira votação, o Projeto de Lei 18/2024, de autoria de Adriano Cardoso (PP) que incluiu a Semana “Alice” de Sensibilização à Perda Gestacional, Neonatal e Infantil no calendário oficial do município.

A data, caso o projeto de lei seja sancionado pela prefeita após segunda votação no plenário, compreenderá a semana de 15 de Outubro de cada ano quando poderão ocorrer reuniões, palestras e outras ações, com a divulgação de cartilhas que promovam a conscientização do impacto emocional que a perda gestacional, neonatal ou infantil tem na família enlutada.

Além disso, o Projeto de Lei enfatiza a humanização do atendimento médico-hospitalar e o oferecimento de apoio multiprofissional aos pais que passarem pela morte prematura de seus filhos.

15 de Outubro é o Dia Internacional de Conscientização da Perda Gestacional. E “Alice” refere-se ao nome da filha da assistente social Simone Muriele Dourado Monteiro Moraes, idealizadora desta iniciativa em Teixeira de Freitas.

Nesta terça-feira, Simone Muriele Moraes, também coordenadora do projeto social Grito Solitário, esteve em Eunápolis participando da sessão ordinária da Câmara. Com o apoio do Gabinete do Vereador Adriano Cardoso ela contou sua própria história de luto ao usar o espaço de 10 minutos na Tribuna Livre do Legislativo para detalhar as ações do projeto de acolhimento aos pais enlutados.

Outro momento emocionante foi quando o vereador Jairo Brasil (PP) relatou a própria experiência, revelando que ele e sua mulher tiveram três perdas antes do primeiro filho do casal. Além de votar a favor do PL 18/2024, Jairo disse que “a sociedade precisa se conscientizar do impacto gerado pela perda gestacional, neonatal ou infantil, sendo indispensável o respeito ao luto das mães e pais que passam pela traumática experiência da morte prematura de seus filhos”.